Reconstruir Melhor: Cidades, Sustentabilidade e COVID-19

Nicholas Church - Schréder Hyperion
Nicholas Church
Global Business Development Manager for Smart Cities

Os acontecimentos dos últimos 18 meses mudaram fundamentalmente a forma como vivemos, trabalhamos e relaxamos. A forma como usamos o espaço nas cidades não é exceção, e os centros urbanos de todo o mundo estão a pensar em como reconstruir, investir e estruturar áreas à medida que as pessoas saem das condições de bloqueio e voltam a encontrar amigos, entes queridos e colegas.
 
Há décadas que as cidades em todo o mundo caminham para práticas mais sustentáveis, e a pandemia proporciona uma oportunidade para reconstruir melhor. Novos sistemas de iluminação precisam de garantir a segurança, proteger o mundo natural e minimizar o uso de recursos. O que significa isso para as cidades de todo o mundo? Como podem tornar-se mais sustentáveis na sequência da pandemia? Nicholas Church, Global Business Development Manager para smart Cities, partilha a sua visão.
 

Comecemos pelo panorama geral: quanto é que as cidades vão mudar? 

Acredito que as cidades estão aqui para ficar. Muitas das convulsões históricas, como a Peste Negra, a queda da bomba atómica ou a queda do Império Romano tiveram surpreendentemente pouco efeito duradouro na urbanização.  No entanto, a tecnologia ou a inovação são capazes de mudar a face das cidades e eventos como a pandemia acelerar estas mudanças. Hoje, esta aceleração é exacerbada pelo facto de as cidades se concentrarem nos objetivos ecológicos e zero carbono.

Smog free Chinese cities are inspiring local authorities to strive harder for zero carbon cities and lighting can play an important role

Imagens de cidades chinesas livres de fumo e céus livres de aviões impactaram milhares de líderes em todo o mundo. Isto confirmou mais uma vez a convicção de que a abordagem das alterações climáticas é uma prioridade deste século, e isto é independentemente do COVID-19.
 

A iluminação pode realmente contribuir assim tanto? 

O primeiro passo para alcançar objetivos zero carbono é fácil; a maioria das cidades pode economizar mais de 50% na sua fatura de energia apenas mudando para iluminação LED, por isso encorajamo-los a fazê-lo. Os sistemas de controlo inteligente podem adicionar uma redução extra de 30% na poupança de energia, adaptando dinamicamente a luz às necessidades personalizadas das cidades (por exemplo através de sensores de movimento ou meteorológicos e monitorização de tráfego). Mas os benefícios não ficam por aqui; a otimização de gestão e manutenção de ativos conta muito e ligar os ativos de iluminação a outros sistemas da cidade para, por exemplo, melhorar a segurança, é apenas uma das muitas coisas que a iluminação digitalizada e conectada pode alcançar.
 
De acordo com o Programa ambiental da ONU, 15% da energia global é usada pela iluminação. Assim, a penetração do LED vai ter um grande impacto neste consumo. Se conseguirmos obter 50% de poupança energética e a fonte de luz durar 25 vezes mais do que as lâmpadas incandescentes, o potencial para atingir o objetivo carbono zero é inequívoco. Sob o mesmo guarda-chuva vai respeitar o céu escuro, os habitats naturais que controlam os ecossistemas podem igualmente beneficiar.
 
A Schréder assenta a sua atividade numa série de organismos e consórcios que ajudam a indústria a evoluir em benefício das cidades e dos cidadãos à medida que a tecnologia entra e influencia o desenvolvimento urbano e políticas de sustentabilidade. Penso que, no futuro, poderia fazer sentido introduzir algum tipo de esquema de crédito ao carbono para recompensar as cidades que fazem escolhas sustentáveis.
 

Quão fácil é integrar funcionalidades sustentáveis?

Muito, muito! Olhemos para o projeto Oeiras Valley do município de Oeiras: em todas as fases, os planeadores pensam na sustentabilidade através do design.  Por isso decidiram instalar um SHUFFLE com iluminação, Wi-Fi, CCTV, carregador de veículos elétricos (EV) e um sistema de controlo Schréder EXEDRA em cada uma das suas 17 freguesias.

SHUFFLE light columns can be fitted with EV chargers and other features to provide more ecological infrastructure to towns and cities

Com uma gama de pontos de carregamento regulares e ultrarrápidos, Oeiras criou a rede de carregamento de veículos elétricos mais abrangente do país, podendo carregar até 80.000 km/dia! Isto traduz-se na eliminação de combustíveis fósseis equivalente a 5.662 litros de gasóleo e 6.471 litros de gasolina. É uma grande mudança. Oeiras tem-se afirmado na Mobilidade Elétrica, no contexto de uma estratégia de cidade inteligente, e é uma região extremamente atrativa: perto de Lisboa, uma grande comunidade de I&D, e muitas empresas multinacionais aí sediadas. É realmente gratificante ver a sua estratégia de iluminação ser parte dessa estratégia!
 

E o que vem a seguir?

Quando olhamos para a iluminação conectada, claramente uma das razões para implementar um sistema é poupar energia. Mas, isso é óbvio até certo ponto. Se tivermos uma perspetiva diferente; a iluminação pública está em todo o lado, ligada à rede, a uma altura conveniente e é uma infraestrutura bem conservada da cidade. Fornece a plataforma perfeita para construir outros serviços. Os fluxos de tráfego de dados estão a mudar em resultado do trabalho em casa, o uso do espaço público está a mudar devido a políticas de influência pandémica (por exemplo, cafés à beira da estrada em lugares de estacionamento) e quem sabe quais serão os requisitos para os carros sem condutor? 

A iluminação pode fornecer uma plataforma para facilitar essas mudanças. A COVID acelerou a motivação das cidades para se tornarem mais ecológicas, escolher sistemas modulares abertos significa que estarão prontas para o que vier a seguir. Nós, na Schréder estamos prontos para ajudar, contacte-nos!
 

Sobre o escritor
Apaixonado pela construção de um futuro sustentável, Nicholas juntou-se à Schréder Hyperion, o nosso Centro de Excelência Smart City, quando abriu em 2019, em Lisboa. Está focado no desenvolvimento de um sistema de controlo de iluminação exterior que oferece ajuda às cidades na construção de sistemas de iluminação à prova de futuro para projetos urbanos inteligentes. Hoje preside ao grupo de trabalho de marketing da UCIFI, que tem como objetivo apoiar e fazer crescer a aliança UCIFI que pretende quebrar as barreiras no sentido de tornar as tecnologias smart city mais abertas. Nicholas estudou Engenharia Civil no Imperial College London, fez um Erasmus em França e está agora baseado em Portugal.

Siga Nicholas no LinkedIn