Mulheres na Iluminação: Marie-Pierre Defoin

Marie-Pierre Defoin - Chief HR Officer
Marie-Pierre Defoin
Chief HR Officer - Schréder

O Dia Internacional da Mulher é um dia global que celebra as conquistas sociais, económicas, culturais e políticas das mulheres.

Para assinalar este dia e mês especiais, estamos a destacar algumas das muitas mulheres maravilhosas que trabalham para a Schréder em todo o mundo, partilhando as suas histórias e o que este dia significa para elas.

Marie-Pierre Defoin formou-se na Universidade com uma licenciatura em Engenharia e depois de alguns anos a trabalhar como Responsável de Produção, tornou-se apaixonada por capacitar as pessoas no seu trabalho, o que a levou a uma carreira em Recursos Humanos! Em ambos os campos, sempre foi uma lutadora, abrindo portas para si e para os seus colegas.

Marie-Pierre juntou-se à Schréder em março de 2020 como Chief HR Officer e sentiu-se no fundo do poço quando a pandemia Covid-19 transformou a nossa forma de trabalhar.

Marie-Pierre Defoin - Chief HR Officer - Schréder Group

O que significa o Dia Internacional doa Mulher para si?  

É uma  oportunidade para celebrar as mulheres  e tudo o que  fazem. Trabalhei em alguns países em todo o mundo, e aquele de que sempre me lembro mais carinhosamente no Dia Internacional da Mulher, é a Rússia. Cada mulher recebe uma flor para assinalar a ocasião, que é uma bela homenagem num país que nem sempre é visto como aquele que celebra a igualdade e a diversidade.

Claro que se estende para além do próprio dia e no meu papel de Chief HR Officer, o meu objetivo é promover todos os dias todo o tipo de diversidade, incentivando todos os colaboradores a mostrarem o seu potencial.

 

Pode falar-nos do seu passado e do seu papel na Schréder?

Bem, em primeiro lugar, deixe-me dizer que ser mulher nunca me impediu de atingir os meus objetivos profissionais! Sempre tive gestores que tiveram confiança em mim, viam o meu potencial e encorajavam-me a desenvolver as minhas capacidades e a crescer.

Iniciei a minha carreira em 1986, na 3M, onde fui a primeira mulher a ser contratada na divisão de fabrico Process Engineer!  Aos 26 anos, fui a primeira mulher responsável de produção na Eridania (então parte da Montedison). O diretor da fábrica na altura era um verdadeiro visionário e defendia a diversidade. Estava a gerir uma equipa inteiramente masculina, mas consegui a confiança deles e encorajei-os a aumentarem as suas capacidades e a tornarem-se mais independentes.

Na Eridania, gostei muito de trabalhar com pessoas, e fui cada vez mais atraída para um papel em recursos humanos, que sempre foi uma paixão minha. Então, quando surgiu uma posição para os Recursos Humanos no R&D Center na Bélgica, surgiu a minha oportunidade. Tive a sorte de o meu ex-patrão ter confiado em mim. Ele sabia que, apesar de eu não ter qualquer qualificação oficial, eu era capaz de abraçar o desafio com sucesso.

E assim começou a minha carreira de 21 anos em Recursos Humanos, na defesa e capacitação das pessoas para prosseguirem os seus objetivos. Entrei na Schréder no ano passado para liderar a visão da empresa "Together, For Our Future", que promove a paridade de género, diversidade, inclusão e capacitação.

Acredito firmemente que "a diversidade supera a capacidade" e o nosso programa "Together For Our Future" pretende criar uma cultura de inclusão em toda a organização. Garantirá a diversidade, reunindo indivíduos com diferentes origens e nacionalidades, para partilhar experiências e conhecimentos especializados, bem como aprender uns com os outros. Criará também um ambiente que garanta a existência de oportunidades para todos.

 

O que acha que podemos fazer para inspirar e encorajar mais mulheres jovens?

Acredito que a orientação é fundamental.  Mais mulheres poderiam ser encorajadas a assumir papéis de liderança com programas de orientação, quer sejam de mulheres para mulheres ou de homens para mulheres. Como já mencionei, tive alguns grandes gestores que me encorajaram a chegar até aqui. Pessoalmente, penso que ser um modelo e ser acessível a jovens gestores é um longo caminho para lhes dar uma vantagem ao passar para um papel de liderança.

 

Que mulheres tiveram o maior impacto na sua vida, e porquê?

Nunca tive uma superior feminina e sempre trabalhei em locais de trabalho essencialmente dominados por homens, mas uma senhora definitivamente se destaca - Aurelia, a Diretora Geral da Áustria na Eridania. Ela era uma esquiadora determinada e talentosa, e trouxe essa determinação, talento e disciplina para o seu trabalho, mantendo-se muito acessível. Numa indústria dominada por homens,  ela  tinha o respeito de todos enquanto se destacava no seu trabalho.
Mostrou-me que, desde que nos conheçamos, podes conseguir o que quisermos.  

 

Qual é a sua maior conquista no trabalho até agora?

Acredito mais na concretização de objetivos pequenos, passo a passo. À medida que avançamos,  somos sempre, em algum momento, confrontados com decisões ou ações difíceis. E à medida que assumimos, percebemos que somos capazes de fazer muito mais do que pensávamos.

Um desafio, que me vem à cabeça, foi quando eu estava a trabalhar na  Eridania. Como já disse, estava a gerir uma equipa de trabalhadores-homens, que quando cheguei viam os seus empregos como um meio para um fim. O encarregado, que na altura tinha 55 anos, surpreendeu-se ao ver uma jovem de 26 anos - uma mulher de 26 anos - tornar-se sua chefe. Trabalhei com eles para aumentar a sua confiança não só em mim, mas também em si mesmos, para que pudessem dar um passo em frente, desenvolver as suas competências e modernizar completamente o seu departamento. E a equipa começou realmente a ter orgulho do seu trabalho.
Também me envolvi em difíceis negociações com os sindicatos na altura, e isso fez-me perceber que nenhuma montanha é demasiado alta!

A nível pessoal, tenho dois filhos que sempre viram a mãe assumir papéis desafiantes. Orgulho-me de dizer que apoiam plenamente a igualdade e não têm dúvidas quanto às capacidades das mulheres!

 

Que conselho darias às jovens mulheres que iniciassem a sua carreira profissional hoje?

Confiem em si mesmas e sejam honestas - saibam o que podem alcançar. Como diz o ditado, Roma e Pavia não foram feitas num dia, e a resistência é fundamental. Sejam peritas em aprendizagem e escuta. Eu levei 3 anos e meio para dar o salto da engenharia para os recursos humanos.
 

Siga Marie-Pierre no LinkedIn