Cidades mais inteligentes para um novo normal: Melhorar as infraestruturas pós- Pandemia


Nicholas Church - Schréder Hyperion
Nicholas Church
Global Business Development Manager for Smart Cities

Há milénios que as cidades atraem as pessoas. Centros de ideias, criatividade e relacionamentos, mais de metade da população mundial vive agora em áreas urbanas, e 68% de nós viveremos em cidades até 2050, de acordo com as previsões da ONU .
O surto global do COVID-19 mudou a forma como vivemos, trabalhamos e convivemos, e apesar das cidades ainda atraírem muita gente, fez muitos centros urbanos pensarem em desafios de infraestruturas mais profundas e como reconstruir à medida que a sociedade sai das condições de bloqueio.

Desde percursos diversificados para facilitar o distanciamento social, a horários escalonados para escolas e escritórios, a pandemia tem sido uma oportunidade para tentar fazer as coisas de forma diferente. Os novos sistemas de iluminação podem ajudar a tornar permanentes algumas das mudanças positivas, integrando tudo, desde pontos de carregamento EV até infraestruturas 5G. À medida que as cidades consideram adaptar as suas infraestruturas neste ponto de inflexão, Nicholas Church, Global Business Development Manager for Smart Cities, partilha a sua perspetiva sobre o que a iluminação pode fazer.
 

Vamos começar com o panorama geral - as pessoas estão realmente a sair das cidades?

Há muitos artigos que sugerem que as cidades vão mudar completamente, mas vejo isto mais como uma aceleração das tendências existentes. O mais provável é que as pessoas venham a habitar as cidades de forma diferente. Várias pessoas pensam: "Esperem, durante o COVID fomos viver com os meus pais no campo, e fomos mais felizes." Uma vez que as pessoas se tenham estabelecido e tenham filhos, ter espaço, ou um jardim, é mais importante. Basicamente, também percebemos durante a pandemia que não é preciso estar no escritório 5 dias por semana, ir uma vez por semana para algumas reuniões é mais produtivo. O modelo provavelmente vai ser acelerado pelo COVID.

Ao mesmo tempo, não há dúvida de que as cidades é onde as coisas acontecem: é onde as pessoas se encontram, onde são estimuladas e têm ideias. Significa que vamos assistir a uma alteração mais rápida da mobilidade, uma vez  que o equilíbrio das pessoas que trabalham em casa e trabalham no escritório vai mudar. Isso é algo que já estava a acontecer, mas foi acelerado. Toda a forma como as pessoas viajam na cidade vai evoluir; talvez seja menos congestionado na hora de ponta.

As infra-estruturas de iluminação podem ajudar as cidades a tornarem-se mais inteligentes e mais sustentáveis


Estão as pessoas a deslocarem-se de forma diferente? 

Sim. É óbvio que a mobilidade está a evoluir à medida que as pessoas viajam fora da hora de ponta, as pessoas entram e saem das cidades em horários mais diferenciados, porque querem evitar multidões. Mas também à medida que começamos a sair do COVID, todos temos de estar juntos para nos re-energizarmos, e isso é muito importante.
Mas a minha opinião é que vai ser no meio termo que nos vamos focar. Reuniões quando necessário, mas um pouco mais de vida no campo ou nas áreas suburbanas veio para ficar. E isso significa uma mudança nos padrões de iluminação que reflete os fluxos reais das pessoas.

À medida que a iluminação se torna mais inteligente, as plataformas de controlo são mais importantes. Podemos integrar sensores, desde um simples sensor PIR, até sensores inteligentes ou uma câmara analítica que realmente deteta as pessoas, o comboio que chega do túnel, as condições meteorológicas: há muitas maneiras diferentes de tornar a iluminação inteligente. Trata-se de criar lugares, tornando-os confortáveis e acolhedores e também economizando energia - mesmo quando estão a ser usados de maneiras diferentes pós-COVID.

Isso pode envolver formas inovadoras de ver as coisas, certo?

Sim, totalmente. Por exemplo, o Bois de la Cambre é uma floresta dentro da cidade de Bruxelas, a sul do centro. Às vezes, a estrada que por lá passa é muito movimentada, e outras vezes está praticamente vazia - e não se quer perturbar a fauna e a flora quando está tranquila. Ligámos a iluminação pública a uma API de um sistema de tráfego online para que pudéssemos adaptar a iluminação de acordo com o tráfego em tempo real sem ter que instalar sensores nas luminárias ou na estrada. É uma enorme poupança em termos de manutenção e em termos de perturbação da instalação. Também é um exemplo de como usar dados anónimos que estão livremente disponíveis para tornar a vida das pessoas um pouco mais fácil.

As luzes da rua em Bois de la Cambre são diminuídas para 50% quando há menos tráfego nas estradas

Estes casos estão a crescer, e temos vindo a desenvolver projetos como este durante toda a pandemia. Por causa dos telemóveis, sabemos onde estão maiores quantidades de pessoas e podemos adaptar a iluminação em consonância.
 

Gerir os fluxos pedonais e poupar espaço são questões vitais para as cidades, não são?

Mais uma vez, é uma tendência que tem vindo a acontecer lentamente, mas que agora está a acelerar. As cidades estão a usar o espaço de forma diferente, e talvez a pensar que os passeios vão precisar de ser mais largos. Nós queremos libertar as ruas e evitar que as áreas sejam desconfortáveis ou muito cheias. Uma coluna inteligente como o SHUFFLE proporciona a criação de zonas pedonais com infraestruturas que podem ser muito úteis. Em vez de uma feia “Árvore de Natal”, com pedaços de fora, sinalização, câmaras, luzes por todo o lado, porque não uma coluna elegante, multifuncional, inteligente e preparada para o futuro. 

Uma das razões claras para o fazer é poupar alguma energia, mas também é sobre segurança, sobre ter ruas mais arrumadas. E a iluminação está ligada à rede, está em todo o lado.  Podemos usá-la para construir outras tecnologias. Repensar as ruas na sequência do COVID desencadeou este potencial. Os lugares de estacionamento estão a ser usados para estender os cafés, uma vez que nos sentimos mais confiantes nas esplanadas, por isso precisamos de Wi-Fi alargado. Porque não a cidade colocar Wi-Fi nas ruas com uma rede inteligente? Os espaços exteriores estão a ser usados de forma diferente e estamos a falar com os parceiros sobre o que eles querem e precisam agora.
 

Ao mesmo tempo, tem havido uma grande procura pela internet, não tem?

Sem dúvida. Com o trabalho remoto e reuniões virtuais durante o bloqueio, a procura de largura de banda explodiu. E é provável que persistam práticas de trabalho remoto; veja o Reino Unido onde os 50 maiores empregadores estão prontos para abraçar modelos de trabalho híbridos. A realidade para muitas pessoas é que não têm um cabo de fibra ótica em casa, dependem do 4G, por isso temos de pensar no elo perdido.
Seja a próxima geração de rede móvel ou internet via satélite, a infraestrutura de iluminação pode ajudar as cidades a desenvolver a conectividade.

Para que a rede móvel existente inclua a mais recente tecnologia, as cidades exigem mais antenas. Não há nada de particularmente mágico sobre o 5G - o que está por trás dele é um modelo de dados um pouco mais eficiente para comunicar informação através de uma rede, e mais postes de antenas. Os postes e antenas podem ser bastante desajeitados, mas podemos ajudar as cidades a integrá-las perfeitamente na iluminação, em vez de terem mais elementos desarrumados em edifícios ou nas ruas. Faz parte do que torna o trabalho com cidades tão excitante, pensar no que precisam para continuar a crescer de forma mais estruturada e amigável para as pessoas.
 

Então, na verdade, é sobre como a iluminação pode ajudar a re-imaginar cidades pós-pandemia...

É exatamente isso. No início da pandemia, as cidades investiram fortemente em tecnologia para gerir a crise, mas à medida que saímos desta fase precisamos de soluções mais inteligentes para as cidades, que permitam novas formas de viver e trabalhar. Fazer a transição para uma economia circular neutra em carbono é muito importante para as cidades neste momento, mas pode ser complicado descobrir como passar do jargão para passos concretos que as pessoas realmente sintam. Esta mudança cria oportunidades e as infraestruturas de iluminação podem desempenhar um papel importante para tornar as cidades mais vivas e sustentáveis
Na Schréder temos vindo a criar cidades onde as pessoas adoram viver há muito tempo. Entre em contacto para discutir as suas necessidades!
 

Sobre o autor
Apaixonado pela construção de um futuro sustentável, Nicholas juntou-se à Schréder Hyperion, o nosso Centro de Excelência Smart City, quando abriu em 2019, em Lisboa. Está focado no desenvolvimento de um sistema de controlo de iluminação exterior que oferece ajuda às cidades na construção de sistemas de iluminação à prova de futuro para projetos urbanos inteligentes. Hoje preside ao grupo de trabalho de marketing da UCIFI, que tem como objetivo apoiar e fazer crescer a aliança UCIFI que pretende quebrar as barreiras no sentido de tornar as tecnologias smart city mais abertas. Nicholas estudou Engenharia Civil no Imperial College London, fez um Erasmus em França e está agora baseado em Portugal.

Siga Nicholas no LinkedIn.